HOMENAGEM PÓSTUMA AO AMIGO WILSON SALGADO

DOCE  SALGADO

 

“O sal e a luz são duas realidades essenciais para a vida, duas coisas que não existem em função de si mesmas. O sal existe para preservar e dar gosto aos alimentos; a luz existe para ajudar a ver aquilo que está à nossa volta”.

 

Mateus: 5, 13-14

 

Wilson Salgado sempre foi luz e sal. Infelizmente, todos os dias nós estamos em contato com o sal e a luz, muitas vezes sem nos dar conta da importância deles para a nossa vida.

Hoje, a cultura ribeirãopretana perde um pouco de sal e luz: faleceu Wilson Salgado, meu parceiro na criação do Hino da ARE- Academia Ribeirão-pretana de Educação.

Seis horas da manhã de 18 de janeiro de 2021. Marly, esposa de Wilson, nos comunica esse acontecimento triste que abalou nossos corações: da Lu, minha esposa, e meu. Imediatamente passou pela minha mente os momentos festivos que passamos, nossas duas famílias,  juntos,  em comemorações das academias de letras e educação.

Wilson esteve por duas vezes na Biblioteca do Clube de Regatas – http://www.tortoro.com.br/blog/?p=9341- lançando seus livros: tive a honra de fazer o prefácio de um deles, Montanha Dourada, em 2004.

Sobre seu livro,  “Nas trilhas do tempo” escrevi um artigo: http://www.tortoro.com.br/blog/?p=9136.

A última vez que vi Wilson foi nos espaços de natureza exuberante  e agradáveis do Regatas: estava com Marly, filho e neto, e , como sempre,  amável, gentil, culto, religioso, latinista, preocupado com a Educação, carinhosamente se referia ao meu filho Rod com a ternura que lhe era peculiar: tenho a certeza de que irão se encontrar em outra dimensão.

Wilson Salgado nasceu em 1928, na cidade de Sorocaba-SP. Formou-se em Filosofia e Pedagogia pelo Colégio São Joaquim-Lorena-SP, e em Direito, pela Faculdade de Direito da USP, em São Paulo-SP. Exerceu o magistério nas matérias de Português e Latim desde os dezessete anos em diversos estabelecimentos e em Cursinhos para Vestibulares de Direito. Como estudante e como funcionário de diversas empresas nacionais e estrangeiras, colaborou sempre com jornais internos. Trabalhou dois anos em “Trading Company” no Panamá, América Central, onde fez conferências em Universidades e outros estabelecimentos. Foi também músico, tendo exercido Regência de Coral e composto várias peças clássicas, populares e também o Hino da ARE-Academia Ribeirãopretana de Educação. Iniciou carreira de escritor profissional apenas após aposentadoria em empresa governamental, tendo, então, escrito artigos, crônicas e poemas em jornais de Ribeirão Preto e outros órgãos de comunicação. Publicou três livros: “Nas trilhas do tempo” , “O Contador de Outroras”, livro de memórias, “A Dança das Horas”, de contos e “A Montanha Dourada”, romance sobre a busca da sabedoria através do conhecimento. É membro da ARL-Academia Ribeirãopretana de Letras e da ARE-Academia Ribeirão-pretana de Educação.

Wilson é uma daquelas pessoas especiais que não morrem: viram estrelas de primeira grandeza.

 

ACADEMIAS, ARE-Academia Ribeirão-pretana de Educação, ARL- ACADEMIA RIBEIRÃOPRETANA DE LETRAS, ARTIGOS, EDUCAÇÃO, LITERATURA